A quantidade de modelos de escovas de dentes disponíveis no mercado é grande e isto é gera dúvidas no momento da compra. Assim, queremos dar algumas dicas e explicar o que deve ser observado:

  1. Importância da escovação – embora existam adjuntos da escovação como dentifrícios (pastas) ou soluções para bochecho, o uso isolado da escova é capaz de remover placa bacteriana aderida aos dentes, com limitação apenas nos espaços entre os dentes, quando há necessidade do fio dental. Ainda não existem substâncias capazes de substituir, sem efeitos colaterais, o efeito mecânico das cerdas das escovas.
  2. Para remover placa sem desgastar dentes e sem agredir os tecidos gengivais, as cerdas das escovas devem ser macias e de pontas arredondadas. Escovas médias ou duras podem favorecer as recessões gengivais, expondo raízes dentárias, ou provocar desgastes nos dentes.
  3. Devemos selecionar escovas com cabeças pequenas, para atingirem as áreas mais posteriores da boca sem causar desconforto.
  4. Em situações específicas como dificuldade em controlar a pressão excessiva na escova durante a higiene bucal, falta de coordenação motora ou por uma questão motivacional, as escovas elétricas são mais indicadas.
  5. Quando o assunto é higiene bucal, a forma como a escova é usada, ou seja, o tempo de higiene, os movimentos executados e a colocação da escova nas áreas em que mais placa é formada (região do dente próximo da gengiva) são mais importantes do que o seu formato.
  6. Existem recursos que devem ser usados de forma complementar à escovação: fio dental e limpadores de língua são indicados para todas as pessoas, pois atuam especificamente em regiões em que a escova não é o melhor recurso.

Esperamos que na sua próxima compra, você selecione a mais indicada para você!